terça-feira, 5 de agosto de 2014

Ninfomaníaca, Diário Proibido e Dama da Lotação

Tenho tentado dar uma variada, assistido uns filmes diferentes.
Fazem alguns dias que assisti o filme Ninfomaníaca - sexo sem culpa (2004), e no último fim de semana Diário Proibido (2008) e a Dama da Lotação (1978). Assistir eles fez com que eu não pudesse abrir mão de uma breve análise, relacionando as obras e pensasse calmamente em cada um deles.

 Ninfomaníaca - sexo sem culpa (2004)

Joanna leva uma vida familiar e profissional tranquila, mas paralelamente se relaciona com vários homens, para suprir sua vontade de sexo, visto que apesar de feliz, o sexo era morno em seu casamento. Eis que aparece um jovem, com quem ela se encontra algumas vezes, e acaba se envolvendo.


Diário Proibido (2008)

Valére leva uma vida leve, se relacionando com vários homens. Ela suspeita ser ninfomaníaca, mas sua avó afirma que esse "distúrbio" é uma classificação deturpada do patriarcado, para rotular mulheres que se sentem livres para gostar de sexo.
Eis que Valére encontra um "amor", que de príncipe encantado se torna um doente que a faz sofrer, a boicota até que ela mude de vida e esteja completamente subordinada a ele. Sem amor  trabalho, com a vida arruinada e nenhuma auto-estima, ela entra no mundo da prostituição, até conhecer o lado mais sórdido do ser humano.

 Dama da Lotação (1978)

Solange (a diva da Sônia Braga) é uma jovem de classe média que se casa com seu primeiro namorado. Na noite de núpcias, ele sem paciência a estupra, se sentindo nesse direito, por ser sua esposa e ela ter que cumprir suas "obrigações".
Certo tempo depois, ela percebe que o ama mas não sente prazer com o marido, fazendo com que ela procure outros homens para se relacionar e a satisfazer seus desejos.

Os três filmes tem em comum como protagonistas mulheres que gostam de sexo, e as pessoas não as compreendem. Seja nos anos 70, seja nos anos 2000.

Essas mulheres usam pessoas para satisfazer seus desejos, mas acaba sendo usadas também, normalmente com violência e completo descaso, causando grande sofrimento para elas. O fato é que elas gostarem de sexo e não terem vergonha de procurar em diferentes espaços sua satisfação, as torna mulheres socialmente inaceitáveis - indignas de merecerem respeito.

Uma mulher se relacionar com vários homens é inaceitável. A mulher deve se preservar.

A questão é justamente essa: as mulheres procuram felicidade e satisfação, e não obrigam ninguém a transar com elas. Não há violência, mas um jogo louco de sedução.

E se fossem homens? Seria tão abominável?

A mistura de desejo, prazer, preconceitos, rejeição e objetificação foi a ligação entre um filme e outro, por isso me identifiquei com as histórias. O sexo pode ser libertador e revigorante  quando somos livres para sentir dessa forma.

Sexo sobra. O que falta é compreensão e coerência sobre a liberdade e o prazer do outro.
As pessoas precisam sentir mais e julgar menos. Bem menos.


Por MARIA,L.P.

Nenhum comentário:

Postar um comentário