quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Versos pretos de um não poema


O meu corpo, preto.
A tua pele, preta.
O meu cabelo enroladinho, quase preto.
A tua boca grossa, que não é preta.
O teu cabelo engraçado, coisa de preto.
As minhas curvas, misturando nas tuas, pretas.
O nosso suor molhando o lençol, que não é preto.
Minhas pernas confundidas com as tuas, pernas pretas.
O beijo molhado no pescoço arrepiado, e preto.
O que restou das nossas roupas, no chão preto.
O teu braço envolta do meu corpo, preto.
O tesão, o desejo, metáforas de sentimento, que não têm cor.
O mistério dos encontros, na noite, preta e longa.         
Os desencontros, nos dias sem cor. 


Por MARIA,L.P.

Nenhum comentário:

Postar um comentário