quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O trânsito machista de todos os dias

Entre os meus ‘hobbies’, sempre cito dirigir. Mas ai tem um detalhe: eu adoro dirigir, mas odeio o trânsito, dá pra entender?

Como moro em uma cidade e trabalho em outra, vou todos os dias para o trabalho de moto, e passo diariamente pela adorável BR116.

O trânsito gaúcho é um dos espaços onde o machismo é mais explícito e violento. Todos reconhecem as relações machistas do nosso cotidiano, mas o trânsito... sinto isso na pele todos os dias.
Tenho a impressão de que a maioria dos homens projetam o seu falo no seu veículo: querem mostrar que são fortes, potentes, corajosos, másculos. E quem os interrompe de tal demonstração merece ser expurgado, xingado, banido da estrada.
As atitudes não são nem em função de pressa, mas todo esse estresse é gerado por que o sujeito que está no outro veículo não pode ultrapassar o macho alfa, este que nunca pode dar lado para qualquer veículo, sobretudo os motociclistas.

Outro aspecto que venho observando os xingamentos mas comuns: descrédito à mulher, ao idoso e ao motociclista. Quando começam a buzinar e xingar o trânsito lento, sempre tem algo do tipo ‘sai daí seu velho’ ou ‘só podia ser velho’, o clássico ‘só podia ser mulher’ ou ‘veado, veadinho, bixa’, sem contar os xigamentos inúmeros que se fazem às mulheres, machistas e homofóbicos e à mãe do sujeito. Mas isso - lamentavelmente - não é nenhuma novidade.

Mais uma situação comum e extremamente violenta é a forma que tratam os motociclistas. Outro dia, em um congestionamento, um carro me fechou contra um ônibus (e todos os motociclistas que vinham atrás xingaram ele, pois por pouco não cai debaixo do ônibus). Outra vez, um cara jogou água em mim, pois estava ultrapassando. Ai se não ultrapasso, ‘só podia ser mulher’. Dá pra entender?

Mas o que mais me incomoda, é o assédio no congestionamento. Isso é muito ruim... paramos em uma sinaleira e o carro para no lado e buzina, faz sinal de luz, ou mesmo grita e começa a chamar. Isso é horrível... Pior ainda é quando tu não consegue te livrar, parando em duas ou três sinaleiras ao lado desses elementos. Eu queria saber se uma cantada machista e violenta no trânsito já ‘funcionou’, porque é ridículo para que faz, e constrangedor para quem recebe.

Canso de ouvir queixas sobre os motociclistas, que de fato, abusam da sorte no trânsito, mas os violentos, estão nos carros.
Lembrem dissoe quando estiverem na direção, falem para seus amigos e familiares estressadinhos no trânsito para ir devagar, o ir de ônibus mesmo.

Veículo não é arma, não é falo. Carro não é avião. Você não têm o corpo fechado e também não é um super herói. E mais importante, não espere isso das pessoas.

Leia mais em Mulher no volante sofre machismo constante em Blogueiras feministas


É pedir demais um trânsito mais democrático, menos violento e machista?
Mas é bom cada um começar fazendo a sua parte...

Por MARIA, L.P.

Nenhum comentário:

Postar um comentário