quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Feliz Natal


“Em última instância Deus é o único que pode afrontar completamente as normas da lógica formal. A Deus se supõe absoluto, ilimitado, perfeito, independente de tudo exceto de si mesmo. Mas Deus, também, tem uma leve imperfeição. Fora da imaginação das pessoas devotamente religiosas, não existe.” 
                                                                                                             
NOVACK, George. Introdução a lógica marxista. Editora Instituto José Luis e Rosa Sundermann, São Paulo, 2005, p.47.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

21/12/2012



Solstício de verão, no hemisfério Sul.
Sexta feira chuvosa.
Malas prontas para o litoral.
O mundo não acabou.





Caso eu não poste mais nada por aqui até o fim do ano, só quero deixar registrado que a Mafalda não precisa de legendas!

Por MARIA,L.P.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Paradoxo: feminismo e religião

Estava louca para escrever algo sobre o aniversário do Biscate Social Club, mas me senti no compromisso de escrever algo sobre feminismo e religião.
Essa semana circulou um vídeo de um congresso de ‘mulheres de Deus’ – Mulheres Diante do Trono.
Vi que várias amigas postaram fazendo a crítica àquele discurso, mas reconheço que assisti somente ontem.
Fiquei pasma.

Postei:




É muito difícil entender que seja possível acreditar que alguém defenda isso publicamente no século XXI. Mas é mais comum que parece.

Hoje abro meu face, e uma amiga posta um vídeo de uma homilia do Pe. Fábio de Melo, sobre Maria ‘Maria, mulher de aço e flores’, e pediu para que eu comentasse, pois ela achou meio machista a fala.

Comentei:

"Aiaiaiaiai... tu me coloca em cada uma! Pessoalmente, não gosto nenhum pouco desse Pe. Fábio. Pra mim, ele é uma grande jogada de marketing da igreja para poder disseminar um discurso reacionário, com um rosto jovem e simpático. Eu não havia assistido ainda... Quando via a marcação, pensei que fosse aquelas loucas do Diante do Trono."

Cont:
"Mas, na minha humilde opinião feminista: Ele já começa dizendo que os homens serão beneficiados pelo discurso. E esse papo de gênero melhor/pior, pra mim já soa mal. Então, Maria foi de José, antes de Deus?? Perai! Ela era propriedade dele? Até onde eu sei, eles se tornaram companheiros por causa de Jesus. Ele foi ao encontro dela, e não o contrário.
Outra coisa que ele coloca é que Jesus passou pela experiência de nascer da sua mãe, ser gestado e tudo mais. Então porque ela seria de José? Sacralidade na condição de mulher que comanda a casa? Sacralidade do ventre?
Maria é quem ela é por ela mesma, pois ela é uma pessoa única. Ela não está e nunca esteve sujeita a Cristo. E as Bodas de Caná? Quem se sujeitou a quem?
Se a igreja não estivesse preocupada com a materialidade do corpo, sobretudo da mulher não estaria intimamente influenciando nas decisões políticas que dizem respeito ao corpo da mulher."

Cont:
"Não sei se tu já leu alguma coisa do blog da Lola. Ela faz uma critica sobre o congresso 'mulheres diante do trono'. Apesar de ser de uma igreja neopentecostal, com 'lideranças' mulheres. Acho que vale muito a pena ler. O discurso é bem mais direto, mas vem de mulheres, e isso faz toda a diferença. A quem isso interessa? Acho que essa é a pergunta fundamental que devemos nos fazer ao ser interpelada por esse discurso."
 
Atualmente trabalho com ensino religioso e pastoral escolar. Assumo uma identidade cristã, por mais paradoxal que isso possa parecer.
Entendo que quando alguém se denomine de determinada religião, essa pessoa assuma uma forma – prática e filosófica – de se ligar a Deus (Religião = religar-se). Não é muito difícil.
Entretanto, na medida em que a instituição igreja delimite o modo de vida dos seus fiéis, há um problema prático (no sentido de praticar a religião – a forma de religar-se ao divino).
Jamais permiti que o líder religioso ou a instituição exercesse seu domínio sobre minha vida e minhas escolhas. Sempre deixei muito bem delimitados estes limites.

Ai um belo dia vejo um vídeo de umas pastoras reacionárias e machistas ensinando como uma mulher de deus deve se submeter ao seu marido.
Desculpem a força da expressão, mas é de rasgar o cú!

No dia seguinte vejo um vídeo de um padre dizendo que Maria antes de ser de Deus, foi de José.
Ai é pra rasgar o cú dele! (Mas dessa vez não vou pedir desculpas).

Ai tem aquele do Padre sem noção dizendo que o feminismo é o pior inimigo das mulheres.
Areia no cú dele. (Também não vou me desculpar).

É duro ser mulher nessa sociedade machista.
É duro ser feminista nessa sociedade machista.
É duro ser mulher, negra, feminista nessa sociedade machista.

É vergonhoso dizer que sou católica, frente a isso tudo.
Obs: Nunca me envergonhei da minha fé. Mas a vergonha que tenho dessa instituição, é imensurável.

Encerro com a frase que intitula o post de ontem do blog da Lola:


Por MARIA, L.P.