terça-feira, 29 de novembro de 2011

Hoje no ônibus vi um menina com uma camiseta escrita ‘Chê vive!’

Hoje no ônibus vi um menina com uma camiseta escrita ‘Chê vive!’
Achei muito bonito.
Para a maioria das pessoas, isso não significa nada, mas para mim foi de profunda inspiração este encontro.

Em primeiro lugar, acho que vestir uma camiseta com um rosto ou frase precisa ter um sentido, de ‘vestir a camiseta’, com a idéia de que se concorda com a causa, que se acredita nisso tudo (se bem que a maioria das pessoas não pensa sobre isso).

Mas também não se há tanta necessidade assim do sujeito teoricizar tudo. Há alguns dias, discutíamos a necessidade do sujeito ter formação, dentro de um partido político. Quando um trabalhador e/ou estudante ingressa em um movimento social, partido político ou qualquer movimento que tenha uma ideologia bastante definida, ele precisa saber onde está, mas não acredito que ele tenha obrigação de saber toda a teoria para tal. É claro, que alguns princípios básicos são necessários, por exemplo, não posso ingressar em um movimento de mulheres, se penso que a mulher deve de fato obedecer ao marido, porque o verdadeiro motivo da perda dos valores da nossa sociedade é por casa do declínio da sociedade patriarcal (sim, já ouvi isso). Mas também não posso barrar o sujeito por não ter lido O Capital, dá pra entender?

Parto do principio, de que “Se você treme de indignação perante uma injustiça, então somos companheiros” (parafraseando o Che).

Acredito que uma formação política é necessária urgentemente para todos nós (sim, me incluo no rol dos necessitados de formação intelectual política). Acho bonito ver um adolescente com o Che no peito, mas ele precisa saber que foi este cara e o que ele fez, para poder dizer que ‘Che vive’. Tenho certeza que “Che vive” sempre que alguém torna o pensamento dele vivo. Assim, como Paulo Freire é presente quando tornamos reais as suas idéias e falas.

Mas devemos ter muito cuidado. Pois Hitler também vive, e não apenas em camisetas com suásticas estampadas. Ele vive sempre que idéias como as dele são disseminadas e aclamadas, e isso acontece muito. Muito mais vezes que um adolescente veste o Che.

Precisamos de formação política sim. Não para o partido ‘x’ ou ‘y’, mas para a sociedade. Precisamos urgentemente de formação, pois a necessidade de gente para discutir e para construir mudança é absurda. Claro que queremos militantes ao nosso lado, mas precisamos de muita gente, para militar pela nossa sociedade, e não em benefício próprio, para isso já basta a lógica do capitalismo.

Precisamos de mudanças, de revolução. Precisamos ter certeza de que Che vive, não só em camisetas e panfletos por ai, mas que ele vive como espírito revolucionário, de mudança, no projeto de uma sociedade mais justa onde todos terão acesso a educação, saúde e liberdade de viver em paz, e de ser quem realmente se é.

Por MARIA,L.P.

Nenhum comentário:

Postar um comentário