quarta-feira, 6 de abril de 2011

Um casamento ideal, irreal, plural... um casamento

Que entrem os Noivos!


De Eduardo Delazeri (publicado originalmente no Blog Ká entre nós)



Um dia o místico e o revolucionário se encontram em um ponto da história, que é na ante-sala do poder, e travaram o seguinte dialogo.

Místico: vocês revolucionários são muito voltado para fora, até parece que estão fugindo de si.

Revolucionário: Vocês místicos é que são voltados para dentro, até parece que estão fugindo do mundo.

Místico: que bom seria se a gente pude-se casar a mística e a revolução.

Revolucionário: É verdade eu até acho que está mistura daria liga.

Místico: Já estou imaginado a cena, a Mística vira vestida de vida e a Revolução viria vestida de história. Os padrinhos…. já sei podem ser os movimentos sociais.

Revolucionário: Isso mesmo, e os convidados: serão os últimos, para ao menos uma vez o mais simples seja visto como o mais importante. Vamos chamar as putas, aos gays, miseráveis que moram nas ruas, os cantadores de lixo, os aidéticos e toda a turma deles.

Místico: Pois que comece o casamento. Mas não será realizado em nenhuma Igreja, de nenhuma religião, vamos celebrá-lo na catedral da vida, para ser mais real. Que entre os noivos.

Revolucionário: Nós viemos aqui para beber ou para conversar?

Místico: (que é meio quietão, faz pausa. Só olha nos olhos dele.

Revolucionário: (num estalo percebe. Pega na mão do místico e comenta) Já sei. Nós viemos foi para amar não é?

Místico: É. Então é bom tirar os sapatos, assim a gente caminha descalço, pois essa terra que pisamos é sagrada.

Revolucionário: Não, vamos tirar a roupa toda. Afinal, foi assim que nascemos.

A mística e a revolução tiveram então um filho, que não pôde ser batizado nem ter nome: chamou-se simplesmente homem-novo, embora fosse mulher.

Nenhum comentário:

Postar um comentário